Cientistas acompanham queda de asteroide e resgatam pedaços

 

Feito inédito foi feito por pesquisadores americanos e sudaneses.
Objeto foi descoberto por telescópio e caiu na Terra 19 horas depois.

 

 

Peter Jennisken, da Nasa, e Muawia Shaddad, da Universidade de Khartoum, no Sudão, ambos ao centro, acompanham estudantes na caça aos meteoritos (Foto: Nasa)

No dia 6 de outubro de 2008, um pequeno asteróide foi detectado por um telescópio automatizado do Arizona, nos Estados Unidos. Até aí, ele era apenas mais um dos incontáveis asteroides que são descobertos todos os dias por sondagens astronômicas. A diferença é que o minúsculo bólido de 6 de outubro ia adentrar a atmosfera da Terra algumas horas depois — e os cientistas estavam determinados a encontrar o que restasse dele no solo.

Satélites e observadores em terra acompanharam a trajetória do asteroide, que atravessou o ar como uma bola de fogo até que, a 37 km de altitude, explodiu. O que restasse dele estaria espalhado pelo deserto da Núbia, localizado entre o Egito e o Sudão.

Uma expedição internacional liderada por cientistas americanos e com participação de pesquisadores sudaneses foi conduzida no deserto em busca dos pedregulhos espaciais. Foram encontrados 47 meteoritos — pedaços do asteróide original –, com massa total de quase 4 quilos.


Traços da travessia do asteroide 2008 TC3 pela atmosfera terrestre, no Sudão (Foto: Nasa)


“Como ele explodiu a 37 km de altitude, não era esperado que algum fragmento macroscópico sobrevivesse”, afirmam os cientistas liderados por Peter Jenniskens, astrônomo da Nasa e do Seti Institute, na Califórnia. “Reportamos que uma busca dedicada ao longo da trajetória de aproximação recuperou 47 meteoritos.”

Com isso, os pesquisadores realizaram um feito inédito: pela primeira vez um asteroide foi detectado no espaço e acompanhado até sua colisão com a Terra, com a subsequente recuperação de pedaços que indicam minuciosamente sua composição. O resultado foi parar na capa da edição desta semana do periódico científico “Nature”.

O feito equivale a conduzir uma missão de retorno de amostras de um asteroide, como a tentada recentemente pela sonda japonesa Hayabusa — só que sem gastar fortunas com a decolagem e a espaçonave.

Normalmente, os asteroides são classificados de acordo com suas propriedades reflexivas — ou seja, com a “cara” que eles têm no espaço. Mas, com as pedras em mãos, Jenniskens e sua equipe puderam identificar em detalhes a composição de um asteroide cuja classificação por observação astrônomica era conhecida. Um belo avanço.

Os cientistas apreciam a oportunidade de estudar asteroides e sua composição pois acredita-se que com isso seja possível abrir uma janela para a época em que os planetas do Sistema Solar estavam se formando. Os asteroides são pedregulhos que sobreviveram, mais ou menos inalterados, desde aquele período, 5 bilhões de anos atrás.

Anúncios

Sobre Baldaci

A Haggai Alummi M606, An Amateur astronomer, A husband, father and a visionary baptist pastor working hard to Plant a Church in Cuiaba, Brazil and to establish the first Cyber Theater and Planetarium in my state(http://on.fb.me/hkCGff) Unique pastor and astronomer in Brazil. Working using astronomy to reach poor childrens and against drugs. http://bit.ly/eu0zgB Member of SOC-JPL-NASA (http://bit.ly/eoyow6) and Astronomer without borders (http://bit.ly/dTCOJG) Host of program “Eyes on skies” TV Assembléia Legislativa(http://on.fb.me/gmF5LE) e Ombudsman of Education State Secretary of Mato Grosso with assistance to 711 schools. About me at Haggai´s web site: http://bit.ly/hAfceX
Esse post foi publicado em 100 horas de astronomia, 100 hours of astronomy, ano internacional da astronomia, Comet, cometa, fireball, Meteor, nasa, observatory. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Cientistas acompanham queda de asteroide e resgatam pedaços

  1. Wilson Simão disse:

    Logo no deserto do Sudão? Se bem que na Amazônia não encontrariam nada mas, se continuarem juntando pedaços, vão descobrir que o somatório dos achados podem fazer vários meteoros.

    Seria interessante saber quantos meteoritos , por quilômetro quadrado, já encontraram nesse deserto. No Brasil a incidência é quase nula devido a vegetação, mas em regiões desérticas como nos USA são encontrados muito facilmente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s