Grupo acha planeta extra-solar habitável

Mundo localizado a 20,4 anos-luz de distância pode abrigar vida.
Cientistas estimam que ele seja só um pouco maior que a Terra.

A busca finalmente terminou — ou, nas palavras dos próprios cientistas, ela acaba de ficar mais interessante. Um grupo europeu de pesquisadores acaba de descobrir um planeta fora do Sistema Solar que é muito parecido com a Terra, com potenciais condições para abrigar vida.

Ele é um dos três planetas conhecidos que orbitam uma estrela chamada Gliese 581. Trata-se de uma estrela das mais comuns, de uma classe conhecida como anã vermelha — menor e mais fria que o Sol. O planeta mais interno é provavelmente um gigante gasoso, com tamanho similar ao de Netuno, e completa uma órbita em torno da estrela a cada 5,4 dias terrestres. Ele foi descoberto dois anos atrás.

As novidades são os outros dois planetas, apresentados num artigo científico submetido ao periódico “Astronomy and Astrophysics” (que estava embargado até as 20h desta terça-feira). O mais externo completa uma volta a cada 84 dias e tem cerca de oito vezes a massa terrestre. Mas interessante mesmo é o planeta do meio. Ele possui “apenas” cinco vezes a massa da Terra (é o menor já detectado) e tem um ano que dura míseros 13 dias.

Embora ele esteja muito mais próximo de Gliese 581 do que a Terra do Sol, como sua estrela é muito menos brilhante, sua órbita cai na chamada Zona de Habitabilidade. É a região em que um planeta não fica nem muito quente, nem muito frio, e pode abrigar água em estado líquido — principal característica essencial à vida.

O grupo liderado por Michel Mayor, do Observatório de Genebra, na Suíça, estima que a temperatura média nesse mundo fique entre 0 e 40 graus Celsius — não muito diferente da Terra, cuja temperatura média é de 15 graus.

Caça aos dados
O estudo dos planetas fora do Sistema Solar — já são mais de 200 os conhecidos hoje — ainda é uma tarefa delicadíssima. Como eles estão muito distantes, é impossível, com as técnicas atuais, visualizar o planeta — o brilho da estrela-mãe o acaba ofuscando. A estratégia mais comum para detectá-los é observar a estrela ao longo do tempo, tentando detectar, em sua luz, sinais de movimento.

A idéia é que, enquanto os planetas giram em torno da estrela, eles a atraem para um lado e para o outro, produzindo um bamboleio estelar. A detecção desse bamboleio permite deduzir que planetas seriam necessários para produzi-lo.

Foi essa a técnica usada por Mayor e seus colegas para detectar o primo mais próximo da Terra até hoje. O problema é que os dados, obtidos com um telescópio do ESO (Observatório Europeu do Sul) no Chile, não dizem tudo que há para saber sobre esse astro. Por exemplo, é possível estabelecer a massa, mas o diâmetro (grosso modo, a “largura”) do planeta ainda depende do chutômetro. Os cientistas estimam que o astro recém-descoberto tenha cerca de uma vez e meia o diâmetro terrestre (o que daria pouco menos de 20 mil quilômetros).

01035859700.jpg

Dúvidas cruéis
Tudo mais sobre esse planeta permanece em aberto. O que inclui, naturalmente, as características mais essenciais sobre esse mundo. “Nós acreditamos que ele seja um planeta rochoso, parecido com a Terra, com alguns oceanos”, disse ao G1, por telefone, Mayor. “Entretanto, alguns modelos sugerem que ele pode ser o que se chama de ‘planeta-oceano’, com muito mais água do que a Terra.”

No Sistema Solar, não existe nenhum exemplo de planeta-oceano. “Mas os modelos teóricos mostram que ele poderia existir em outros lugares”, explica Mayor. O segredo para isso era que o planeta se formasse mais distante da estrela, onde há mais gelo, e depois migrasse para o interior do sistema. Uma bela porção da massa total criaria um oceano global, com muitos quilômetros de profundidade.

Com base nas informações disponíveis, é impossível dizer se o astro recém-descoberto é mais parecido com a Terra ou com um planeta-oceano, mas o fato é que, em ambos os casos, a presença de água líquida estaria garantida. Para a maioria dos cientistas, essa é a pré-condição básica para a evolução da vida.

Boas e más notícias
Claro, entre poder ter vida e tê-la vai uma longa distância. E os astrônomos dizem que ainda serão precisas algumas décadas de pesquisa até que os instrumentos sejam capazes de buscar “assinaturas” da vida na luz desses objetos.

A conclusão mais eloqüente, entretanto, é que a descoberta mostra evidências de que o Universo deve estar cheio de planetas parecidos com a Terra. A estrela Gliese 581 é uma das cem mais próximas do Sol. Ela está a 20,4 anos-luz de distância — o que não é tão longe; em termos astronômicos, é logo ali.

O fato de encontrarmos vizinhos tão parecidos já nos arredores mostra que eles devem estar em toda parte. Agora é só uma questão de achar.

Sobre Baldaci

A Haggai Alummi M606, An Amateur astronomer, A husband, father and a visionary baptist pastor working hard to Plant a Church in Cuiaba, Brazil and to establish the first Cyber Theater and Planetarium in my state(http://on.fb.me/hkCGff) Unique pastor and astronomer in Brazil. Working using astronomy to reach poor childrens and against drugs. http://bit.ly/eu0zgB Member of SOC-JPL-NASA (http://bit.ly/eoyow6) and Astronomer without borders (http://bit.ly/dTCOJG) Host of program “Eyes on skies” TV Assembléia Legislativa(http://on.fb.me/gmF5LE) e Ombudsman of Education State Secretary of Mato Grosso with assistance to 711 schools. About me at Haggai´s web site: http://bit.ly/hAfceX
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

9 respostas para Grupo acha planeta extra-solar habitável

  1. Carlos disse:

    Gostaria, de ver atravez da internet, o que acontece no espaço, é possivel.

  2. giovanni disse:

    como sabemos se isso é verdade..

  3. Paula Fabreto disse:

    É bom mesmo descobrirem outros planetas porque o ser humano já está acabando com o planeta em que vivemos.

  4. Antonio Carlos disse:

    Quando estarão vendendo terrenos por lá ?

  5. Adrian disse:

    Milagre, pois o homem já destroiu bem essse planeta por mais de 130 mil anos, um planeta tão grande quanto o nosso vai segurar mais ainda por ainda 500 mil anos quem sabe? e Antonio Carlos
    se o homem for mais compreensivo nao vai ter tecnologia por lá
    vamos tentar ver se lá nao vamos destroir tudo como aki
    Se descobriram um planeta habitavel, temos que dar o nosso maximo para nao destroir esse tambem.
    por que , esse nao existir mais planetas habitaveis como a terra e o planeta-oceano???
    a raça humana vai pro espaço

  6. clara disse:

    oaoooooooooooooooooooooooooooooooooooo o mercurio e tao quente

  7. hbloi disse:

    ahhhhhhhhhhhhhhhhhiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii la e frio a estrlela de glise 581 e mais fria

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s